quinta-feira, fevereiro 28, 2008

águas que se encontram


esta foto estou há tempos para publicar, e sempre esqueço.
este lugar é a barra, da barra do chuí.
é um lugar que me dá sempre uma emoção imediata e profunda, que me faz ir às lágrimas.
é o encontro das águas, que se mesclam e por algum tempo ficam ainda com suas cores particulares, mas que logo se fundem em uma nova cor.
me lembrei de amores, de vida e de morte, companheiras inseparáveis.
morte e renascimento, morte para não renascer, mas que mantém a vida que não se vai.
fiquei pensando em como a lembrança das pessoas queridas ficará para sempre dentro de nós, mesmo depois da sua morte.
me lembrei especialmente da candinha rocha, figur ímpar de mulher, que foi minha professora na graduação.
candinha era artista, religiosa, mestra interessada e pessoa especialmente generosa com quem passava por seu caminho.
comigo, ela teve a generosidade de despertar minha atenção e interesse para a musicologia, motivar para a leitura e para a musica.
lembro que ela levava lanchinhos para as aulas, e oferecia aos alunos.
uma vez eu perguntei porque.
ela disse que oferecia a todos porque sabia que alguns alunos da turma não tinham dinheiro para tomar café da manhã, e então ela oferecia a todos para que aqueles não se sentissem constrangidos.
candinha partiu há alguns dias, serena e pequena como um passarinho.
o sorriso cândido de seu corpo quieto mostra que ela viveu uma vida feliz.
(outro texto sobre candinha eu postei aqui)

2 comentários:

Fabiane disse...

emocionante e sensível.

Jonas Klug disse...

Não esquecerei, jamais, esse sorriso da Candinha, mencionado pela Isa. O último. Para sempre. Por uma dessas, creio, falsas coincidências da vida, pude estar em Pelotas no seu Grande Dia, e ajudar a conduzi-la a sua última morada visível. Por outra coincidência, bem anterior, Candinha havia sido namorada de meu pai na juventude, mas só vim a conhecê-la em minha adolescência, pelo que brincávamos que poderia ser seu filho. Espiritual e artisticamente, com certeza. Candinha foi minha primeira grande incentivadora para o Canto, além de partilhamos crenças e vivências espirituais profundas. Seu último sorriso, entretando, me disse, silenciosamente, mais que tudo que soubesse ou possa me ter dito em vida. Obrigado, Candinha. Até breve.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin

Clube da Mafalda

Clube da Mafalda